Animais Dicas Canis & Gatis Parques Zoos Clínicas Lojas Hotéis
Atum-rabilho vendido por preço recorde
2013-01-07 » Japão
Teme-se pela sua extinção e são em alguns mares protegidos por leis rigorosas, mas a cada ano que passa são mais apreciados pelo mercado japonês, onde o preço sobe em flecha todos os anos por esta altura.

O primeiro leilão do ano no mercado de Tsukiji, no Japão, levou o dono de uma cadeia de restaurantes de Sushi a «perder a cabeça» e arrematar este peixe, que nem sequer era um animal particularmente grande - cerca de 220 quilos quando podem atingir os 500 ou mesmo mais - por um milhão e oitocentos mil dólares. No ano de 2012, o recorde do primeiro leilão do ano não tinha chegado sequer aos quinhentos mil dólares. O Japão consome cerca de três quartos de todos os atuns-rabilhos capturados no Atlântico.

O atum-rabilho, já extinto no Mar Negro, ainda pode ser encontrado no Oceano Atlântico e no Mar Mediterrâneo, embora cada vez em menor número, devido à pesca intensiva que tem sofrido em alguns locais para onde migra durante o decorrer do ano. Nos Estados Unidos e Canadá tem sido protegido por leis rigorosas, que só permitem a sua captura em épocas determinadas, com um tamanho mínimo, e sendo essa realizada à linha, o que tem aumentado as reservas, quer em número de animais, quer no tamanho dos mesmos, na costa atlântica desses países. Porém, a pesca clandestina com recurso a redes proibidas pode por em risco este trabalho de protecção e, como se entende pelos preços atingidos, acaba por ser apetecível para quem realiza as capturas de forma clandestina e à margem de todas as leis locais.

Os pescadores que cumprem as leis e são detentores de licenças nos períodos estabelecidos ganham entre três e quinze mil dólares por cada animal que vendem, mas a rede de intermediários e a cobiça pelos primeiros peixes do ano faz com que o peixe chegue ao mercado japonês a preços como este agora atingido. Esperemos que, no futuro, restem alguns exemplares para salvaguardar a sobrevivência da espécie.

Já o feliz comprador vai ter prejuízo com a venda deste peixe porque ao vendê-lo nos seus restaurantes nunca conseguirá realizar o dinheiro investido, mas a promoção da sua cadeia de estabelecimentos conseguida com a mediatização desta compra vai certamente compensar este investimento milionário.
Notícias
Nova exposição temporária do Oceanário abre a 22 de abril
Portugal
Rodrigo Leão compõe para a exposição «Florestas Submersas by Takashi Amano»
A nova exposição temporária do Oceanário de Lisboa, abrirá ao público no dia 22 de abril. «Florestas Submersas by Takashi Amano», apresentará o maior «nature aquarium» do mundo através de uma visita pelas florestas tropicais acompanhada de uma composição inédita de Rodrigo Leão.
Escoócia
Repetidamente se lê e ouve que alguns animais de estimação realizam tratamentos médicos de valor avultado. Neste caso, trata-se de um peixinho vermelho que teve de realizar uma cirurgia e, o dono não olhou aos custos para que o seu amigo tivesse o melhor tratamento possível.
Estados Unidos
Um dos mais estranhos e raros peixes conhecidos, o Demónio-negro-do-mar, também conhecido como peixe-diabo-negro, (Melanocetus johnsonii), foi filmado e capturado no seu habitat por investigadores do Instituto de Investigação do Aquário de Monterey Bay da Califórnia.
Portugal
Os lagos e barragens da Tapada de Monserrate, em Sintra, situadas em pleno Parque Natural Sintra-Cascais, estão desde há algum tempo a ser preparados para receber nas suas águas algumas das espécies que sempre viveram na Bacia Hidrográfica de Colares, mas que desapareceram na totalidade, ou quase, com a introdução de espécies invasoras, como as carpas, os lagostins e os achigãs, que foi necessário erradicar para dar corpo a este importante projecto de reintrodução de espécies ameaçadas da fauna portuguesa.
Vaga de ataques de tubarões-brancos preocupa autoridades
Austrália
Depois de, em apenas 10 meses, cinco casos mortais ocorridos em praias australianas terem sido atribuídos a tubarões-brancos, as autoridades estão atentas ao problema e a pensar numa forma de proteger os banhistas.